Maguito Vilela está internado em SP | Foto: Divulgação
Maguito Vilela está internado no Hospital Albert Einstein (SP) desde o dia 27 de outubro | Foto: Divulgação

O tratamento ao qual o candidato a prefeito de Goiânia, Maguito Vilela (MDB), está submetido em UTI do Hospital Albert Eistein, em São Paulo, é raro em Goiás.

Maguito tem recebido oxigenação por membrana extracorpórea, em inglês ECMO.

A técnica auxilia o político de 71 anos na recuperação da infecção nos pulmões provocada pelo coronavírus.

O ECMO é um procedimento complexo e oneroso, geralmente aplicado a pacientes graves em hospitais privados de alta complexidade.

O último boletim médico, divulgado nesta 6ª feira (27), informou que Maguito segue “sedado e em ventilação invasiva com traqueostomia” – pequeno corte feito na garganta para expor a traqueia e permitir a passagem de um tubo.

Além da “hemodiálise e suporte da ECMO”

Procedimento faz oxigenação do sangue do paciente por uma máquina | Foto: Ilustrativa

Como funciona

Em entrevista ao jornal O Popular, o cirurgião cardiovascular Tércio Campos Leão Neto afirmou que apenas 15 pacientes foram submetidos a esse tratamento em Goiás.

O profissional integra a sociedade ELSO Latino Americana, que coordena o procedimento com uso de ECMO, no Brasil.

O médico explicou que o procedimento consiste em uma cânula (espécie de um tubo de plástico, borracha ou metal) da espessura de 1 dedo que é colocada na veia femoral do paciente.

Após isso, o sangue do paciente passa por uma máquina, onde recebe oxigênio, voltando para a corrente sanguínea.

Traqueostomia, diálise, ECMO: Entenda os últimos boletins de Maguito

Avaliação constante

Terapia para poupar os pulmões de pacientes
Paciente em tratamento com ECMO | Foto: reprodução

Segundo o cirurgião, a terapia funciona como auxílio ao tempo de recuperação do paciente, “não faz nenhum tratamento propriamente dito”.

Tércio Campos lembra que o procedimento ECMO precisa ser avaliado constantemente.

Isso porque, os médicos precisam saber se o tratamento é benéfico ou não ao paciente.


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook