CL Aparecida, o maior rap da história de Goiás: quem lembra?

Tem que saber chegar: música que fala da vida na periferia de Aparecida completa 15 anos

Tem que saber chegar.

Quem tem mais de 20 anos provavelmente leu a frase acima no ritmo do maior rap da história do estilo em Goiás.

Lançada em 2005, CL Aparecida foi sucesso nacional e deu ao grupo CL a Posse o título de precursor do hip hop goiano.

A música fala da vida na periferia da Grande Goiânia e homenageia um setor de Aparecida que muito cresceu nos últimos 10 anos: Cidade Livre.

“Pedindo paz, a todas as quebradas,
CL Aparecida, CL a minha área.”

O grupo foi formado em 2002 por Nego Thaide, Pantu, Jota-R, Mano Lê, e Dj Arthur. Hoje, só os 3 últimos ainda fazem parte do projeto.

Foi em 2005 que eles lançaram o 1º CD, também chamado de CL Aparecida.

Mas foi a música título que deu o Brasil para os jovens aparecidenses.

A canção ficou gravada tão profundamente no imaginário dos goianos que até mesmo a cantora Marília Mendonça foi flagrada curtindo o som no seu carro há pouco tempo:

Marilia Mendonça Curtindo aquele clássico do CL A POSSE – CL APARECIDA .isso é maior satisfação pra nós do Grupo ..

Posted by CL A Posse on Friday, September 7, 2018

Com mais de 3,6 milhões de visualizações no YouTube, o vídeo clipe foi gravado pelo programa Radar, da TV Anhanguera.

O diretor e produtor do vídeo foi Anselmo Troncoso, responsável por produções de artistas como Gusttavo Lima, Calipso, Jorge e Mateus, Neshville e outros.

“Que trem é esse descendo a montanha,
itinerário Aparecida a Goiânia.”

14 anos depois, a CL continua produzindo rap de qualidade no cenário nacional.

Em 2017, o grupo lançou um novo álbum: “Tem Que Saber Chegar”.

Segundo os rappers, as raízes de suas influências musicais são Tim Maia, Raul Seixas, 2Pac, Dr. Dre, Zeca Baleiro, Afrika Bambaataa, James Brown e Zé Ramalho.

Após ser demitida, aparecidense se reinventa e vira confeiteira de sucesso


Quer relembrar a história de Aparecida, Goiânia e Goiás?

É só seguir o Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook