Santuário Basílica do Divino Pai Eterno | Foto: Divulgação/Afipe
Santuário Basílica do Divino Pai Eterno | Foto: Divulgação/Afipe

O Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de Goiás deflagrou na manhã desta 6ª feira (21) uma operação contra supostas irregularidades cometidas na Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe).

A Operação Vendilhões ocorre nesse momento, com o apoio das Polícias Civil e Militar.

De acordo com o MP, a investigação originou-se do encaminhamento, pelo Poder Judiciário, de cópia de inquérito policial apontando que o presidente Afipe, após ser vítima de extorsão, teria utilizado indevidamente recursos provenientes de contas das associações que preside.

Os crimes apurados, até o momento, são os de organização criminosa, apropriação indébita, lavagem de dinheiro, falsificação de documentos e sonegação fiscal.

Estão sendo cumpridos 16 mandados de busca e apreensão na sede da associação, empresas e residências em Goiânia e Trindade, expedidos pelo Juízo da Vara de Feitos Relativos a Organizações Criminosas e Lavagem de Capitais, em decisão da juíza Placidina Pires.

Participam da operação 20 promotores de Justiça, 52 servidores do MP-GO, 4 delegados, 8 agentes da Polícia Civil e 61 policiais militares.

Afipe

Fundada e presidida pelo reitor do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, padre Robson de Oliveira, a Afipe é uma associação sem fins lucrativos.

Seu objetivo é angariar e gerir recursos para os projetos do Santuário, como as divulgações pela internet e televisão.

LEIA MAIS 👉 Presos 3 suspeitos de disparar rajada de tiros no Morada do Sol


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook