Depois do Amapá, Roraima caminha para outro apagão generalizado

População de 630 mil pessoas está refém de usinas termelétricas

estado apagão
Roraima é mais um estado que pode sofrer com apagão | Foto: Reprodução

O apagão que acomete o Amapá há 3 semanas pode ocorrer também em outro Estado da Amazônia: trata-se de Roraima.

Sem as obras de um linhão de transmissão de energia, o local é dependente de usinas termelétricas.

Assim, Roraima não pode ficar integrado à cadeia energética nacional, o Sistema Interligado Nacional (SIN).

Com a falta desse linhão, o Estado fica isolado e dependente do próprio sistema de energia, no caso, as usinas termelétricas.

Crise energética em Roraima

Atualmente, 5 usinas termelétricas são responsáveis por alimentar a população de 630 mil pessoas.

Essa forma de geração de energia, além de mais cara, também é mais poluente, porque possuem equipamentos à base de óleo diesel.

O estado é o único brasileiro que não é integrado ao SIN e não é contemplado pelo linhão Tucuruí, que ligam Amazonas e Amapá à Usina de Tucuruí.

Outro problema é o linhão entre Boa Vista, capital de Roraima, e Manaus, capital do Amazonas, nunca saiu do papel.

Além disso, a crise tem se agravado porque desde o ano passado a Venezuela não fornece mais energia ao estado pelo linhão de Guri, que alimentava 70% da energia.

linhão de guri
Linhão de Guri | Foto: Divulgação

Empresa nega crise

A Roraima Energia, que é a responsável por fornecer energia ao estado, disse que não há risco de apagão.

De acordo com a empresa, a potência de geração é de 245MW, mas o consumo máximo registrado foi de 210MW.

Portanto, concluiu que as termelétricas não estão no limite da capacidade máxima.

Ainda segundo a Roraima Energia, houve uma redução dos apagões: em 2018 foram registrados 83, 2019, o número foi de 37 e neste ano 7 foram contabilizados.

LEIA MAIS ➡️ Amapá vive na escuridão, calor e falta de água


Acompanhe tudo que acontece em Aparecida de Goiânia seguindo a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook