Aparecida: 2º CRPM é responsável por 15% dos veículos recuperados em Goiás. Na imagem, Operação Martelo e Bigorna
Aparecida: 2º CRPM é responsável por 15% dos veículos recuperados em Goiás. Na imagem, Operação Martelo e Bigorna | Foto: Divulgação/PM-GO

Com operações centralizadas em Aparecida de Goiânia, o 2º Comando Regional da Polícia Militar foi responsável por 14,83% de todos os veículos recuperados em Goiás no período de 2019 a 2020.

Além disso, 17,36% dos foragidos recapturados no Estado também foram feitas na regional, totalizando 2.258.

Para o comandante do 2º CRPM, coronel Newton Nery de Castilho, os resultados são frutos de um trabalho de base, que inclui policiamento de área, inteligência e operações constantes.

A principal dessas operações, segundo o coronel, é intitulada “Martelo e Bigorna”.

comando PM Aparecida coronel Castilho
Comando da 2ª Regional da PM em Aparecida é do coronel Castilho | Foto: Instituto Latu Sensu

Por meio dela, as equipes fazem bloqueios em via pública e checam antecedentes criminais de motoristas, realizando também buscas pessoais e veiculares.

“Não tem muito segredo, a não ser a falta de preguiça e regularidade”, comentou Castilho.

Segundo o comandante, as ações são coordenadas levando em conta a evolução das manchas criminais na área.

“Se a mancha criminal se intensifica em uma região, mandamos equipes para lá. Essa é outra razão pela qual é tão importante que o cidadão registre qualquer crime de que venha a ser vítima: para munir a segurança pública de informações importantes”, afirmou.

2º CRPM

O 2º CRPM atua no sul da região metropolitana, compreendendo os municípios de Aparecida, Hidrolândia, Senador Canedo, Bela Vista de Goiás, Bonfinópolis e Caldazinha.

As unidades que compõe esse comando são: 8º BPM, 27º BPM, 39º BPM, 41º BPM, 45º BPM, 46ª CIPM (COPOM/2º CRPM) e 43ª CIPM (CPE).

Ex-comandante da Rotam assume comando da PM em Aparecida


Acompanhe tudo que acontece em Aparecida de Goiânia seguindo a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook