Leo José | Foto: Reprodução
Leo José | Foto: Reprodução

O PTB pretende adotar “todas as medidas judiciais cabíveis” para assegurar a diplomação de Leo José, candidato a vereador eleito com 1.799 votos pelo partido em Goiânia.

Em comunicado assinado pelo presidente municipal Carlos André e pelo advogado Bruno Pena, a sigla rechaçou qualquer possibilidade de anulação dos votos obtidos na eleição por alegações de irregularidade da sua chapa.

O posicionamento é uma resposta a questionamentos a respeito da cota feminina entre as candidaturas lançadas em 2020.

De acordo com a legislação eleitoral, pelo menos 30% de todas as candidaturas devem ser de mulheres.

Apesar de ter homologado a chapa junto à Justiça Eleitoral com 30 candidatos homens e 15 mulheres, resultando em uma proporção de 66,66% para 33,33%, o partido foi para as urnas no dia 15/11 com um número menor de candidatas devido a desistências.

Para o jurídico da sigla, há jurisprudência no sentido de que não pode haver cassação da chapa caso ocorram desistências ou indeferimentos de candidaturas após a homologação.

“O cálculo dos percentuais de candidatos para cada gênero terá como base o número de candidaturas efetivamente requeridas pelo partido político”, afirmou na nota.

Partidos questionados

Além do PTB, pelo menos outros 6 partidos podem acabar lutando na Justiça para evitar uma cassação e eventual perda de mandato.

No sábado (21), o juiz eleitoral Wild Afonso Ogawa, da 127ª zona eleitoral, determinou a nulidade dos votos obtidos pelo partido Cidadania devido ao desrespeito à exigência de cota feminina.

Com isso, o vereador eleito Marlon dos Santos Teixeira perde o direito de assumir o mandato.

O partido já afirmou que recorrerá da decisão junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Goiás.

No entanto, caso a decisão seja mantida, a cadeira de Marlon ficará com o vereador Paulo Magalhães (DEM).

Decisão judicial pode dar novo mandato a Paulo Magalhães


Acompanhe tudo que acontece em Goiânia seguindo a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook