O Sindicato dos Empregados em Postos de Serviços e Derivados de Petróleo no Estado de Goiás (Sinpospetro-GO) estuda decretar greve geral dos frentistas em Goiás.

A decisão será tomada nesta 4ª feira (9), na assembleia geral.

De acordo com o presidente do Sinpospetro-GO, Hélio Araújo, por causa da pandemia do coronavírus, os frentistas não tiveram aumento salarial neste ano.

Para piorar a situação, ele relatou à reportagem que alguns postos cortaram cesta básica e plano odontológico de trabalhadores.

“Vale ressaltar que, por serem atividades de primeira necessidade, essas pessoas não pararam de trabalhar durante a pandemia”, lembra Araújo.

Negociações

Ele conta que já foram feitas várias negociações com as entidades que representam os postos de combustíveis e na Justiça, porém sem sucesso.

“No tribunal, houve até notificação das entidades patronal, sem acordo”, cita Araújo.

Inédita

Greve da categoria tem gerado desabestecimento em Goiânia e em outras regiões do Brasil | Foto: Reprodução
Greve da categoria tem gerado desabestecimento em Goiânia e em outras regiões do Brasil | Foto: Reprodução

Caso confirmada, será a 1ª vez em que frentistas promovem uma greve, que pode parar o Estado.

Nesse sentido, a mais recente paralisação, deixando postos de combustíveis sem abastecimentos, foi dos caminheiros, em 2018.

Goiânia deve seguir modelo de Aparecida em provável 2ª onda


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook