O ministro da Economia Paulo Guedes disse nesta 3ª feira (11) que poderá haver prorrogação do auxílio emergencial em 2021.

No entanto, isso acontecerá somente se o Brasil passar pela 2ª onda de contaminação da covid-19.

“Deixamos bem claro para todo mundo: se houver uma segunda onda no Brasil, temos já os mecanismos. Digitalizamos 64 milhões de brasileiros. Sabemos quem são, onde estão e o que eles precisam para sobreviver”, disse Guedes em teleconferência com a agência Bloomberg.

Prorrogação do auxílio deve ser mais barata

Para justificar uma possível prorrogação, o ministro disse que uma nova onda de contaminação deixaria os gastos com a covid-19 em um menor patamar.

“Se uma segunda onda nos atingir, aí iremos aumentar mais (os gastos). Em vez de 8% do PIB, provavelmente usaremos desta vez metade disso. Porque podemos filtrar os excessos e certamente usar valores menores”, afirmou.

Paulo Guedes | Foto: Reprodução
Paulo Guedes | Foto: Reprodução

LEIA MAIS ➡️ Veja quem pode sacar até R$ 4.800 de auxílio


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook