Juiz anula votos do Cidadania e vereador perde mandato em Goiânia

O candidato Igor Franco, do PROS, deve assumir. O Cidadania vai recorrer da decisão judicial

Marlon dos Santos Teixeira teve 2.546 votos | Foto: divulgação

Decisão do juiz da 127 ª zona eleitoral determina a nulidade dos votos do partido Cidadania, pelo fato de a legenda não ter cumprido com a cota mínima de 30% por gênero.

Desta forma o vereador eleito Marlon dos Santos Teixeira não terá direito de assumir o mandato.

A ação foi movida pelo Partido Republicanos da Ordem Social (PROS).

Para a direção do PROS, a exigência da cota deve ser efetivada no momento da eleição e não apenas no momento de protocolo da chapa.

Já a direção do Cidadania informou que no momento do registro o partido atendeu as regras e o registro da chapa foi deferido.

No entanto, em 13 de outubro a candidata a vereadora Vanilda Costa Madureira desistiu da disputa, e desta forma a proporção no Cidadania caiu de 30% para 28,8%.

Marlon dos Santos Teixeira teve 2.546 votos.

Neste sábado (21), ele saiu em um carro de som em ruas do Parque das Laranjeiras, Parque Atheneu, Jardim Mariliza e região para agradecer aos eleitores os votos recebidos.

Horas depois saiu decisão desfavorável a ele.

Com a anulação dos votos da chapa do Cidadania, quem deve assumir a vaga é Igor Franco (PROS) que teve 4.179 votos.

O Cidadania vai recorrer da decisão judicial.

*As informações são do repórter Samuel Straioto, da Rádio Sagres

Iris reforça neutralidade e diz que ‘nosso candidato’ foi força de expressão


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

 

Comentários do Facebook